Últimas notícias

13/11: Ser ou estar, eis a questão

12/11: Cultura aliada à economia

12/11: Oficina facilita aprendizado

29/09: Naná Vasconcelos, de Recife para o mundo

22/08: Mostra Mundial de Cinema começa dia 24, em BH

12/08: Entrevista exclusiva com Regina Helena Silva, diretora do Centro Cultural da UFMG

11/08: Estado lança novo edital da Lei de Incentivo à Cultura

10/08: 6º Salão do Livro traz discussões e programação cultural gratuitas

Além do morro

FestiVelhas Manuelzão acontecerá em cidade rica em história e cultura, no sertão mineiro

Por Flávia Ayer

Morro da Garça não foi escolhida por acaso para receber, de 11 a 15 de novembro, o “FestiVelhas Manuelzão” - o festival de arte e cultura da bacia do Rio das Velhas. Situada no centro-norte de Minas Gerais, a 22 km de Curvelo e a 210 km de Belo Horizonte, a cidade é um dos cenários da obra do escritor Guimarães Rosa. “Sempre à esquerda, o Morro da Garça – pirâmide rasa. Corcova de camelo, às vezes. Às vezes uma tartaruga. Escuro.” Assim ele descreve, em uma caderneta de viagem, a elevação rochosa que dá nome ao município.

 
  Vista do morro que dá nome ao município

A origem do povoamento de Morro da Garça remonta ao caminho dos boiadeiros que vinham da Bahia com destino à vila de Sabará, no século XVIII. Os viajantes faziam paradas de descanso na Fazenda da Garça, o último dos “currais” no caminho da Bahia para as minas do Rio das Velhas.

Não existe data exata da fundação de Morro da Garça. Mas, de acordo os escritos do Padre João Boaventura Leite, que realizou ampla pesquisa histórica sobre a cidade, o arraial de Morro se formou em torno da Capela de Nossa Senhora das Maravilhas, construída em 1720, nas terras da Fazenda da Garça.

Em 1962, Morro da Garça foi emancipada. A partir daí, houve um crescimento demográfico maior e a reestruturação física da cidade. A sede urbana se estendeu e a estrutura do município foi pensada para atender de forma satisfatória e funcional uma população cujos valores estavam ligados ao campo. De acordo com o Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cidade possui 2.971 habitantes, 1.337 da zona rural e 1.623 da urbana, e 84,9% da população é alfabetizada.

Morro da Garça possui um casario antigo, datado do século XIX, que ainda se encontra em grande parte conservado. Um deles é a Creche Tia Noca, tombada em 2002, para onde se pretende transferir a Casa de Cultura do Sertão, pólo aglutinador das manifestações artísticas da região.

Igreja matriz de Morro da Garça

Ponto turístico

A cidade faz parte do Circuito Turístico Guimarães Rosa, certificado pela Secretaria Estadual de Turismo. O circuito é composto por cidades do sertão mineiro que possuem grande representatividade na obra e vida roseana. São elas: Araçaí, Cordisburgo, Corinto, Curvelo, Morro da Garça, Lassance e Três Marias. “O Morro é um atrativo turístico, principalmente em função de Guimarães Rosa”, afirma Rosa Tane, responsável pela Casa de Cultura.

Foi essa motivação turística que levou, há dez anos, um grupo da Universidade de São Paulo (USP), composto por cineastas, artistas plásticos, sociólogos, geógrafos, a viajar pelo sertão mineiro a fim de conhecer as paisagens descritas pelo escritor. “Fomos para conhecer o morro, presente no conto O Recado do Morro. Nem sabíamos que havia a cidade de Morro da Garça”, afirma a cineasta Marily Bezerra.

“Encontramos uma cidade muito tranqüila, cheia de flores, agradável e receptiva”, acrescenta Marily que, atualmente, coordena o projeto “Guimarães Rosa: Lugares”, desenvolvido em Morro da Garça e patrocinado pela Petrobrás. Criado há um ano, o projeto parte da reflexão sobre a obra roseana e os lugares que ela ilumina, pretendendo criar em Morro da Garça um espaço de convívio e discussão sobre o patrimônio material e imaterial da região. Para tanto, são realizadas oficinas, apresentações, excursões.

Ligados à terra

A região, em função da escassez de matas e a presença de campos, várzeas e chapadões, desenvolveu a atividade pecuária, que hoje, junto com a agricultura, constitui a principal fonte de renda da população.

Há uma grande ligação dos moradores do município com a terra e com os alimentos vindos desta. Anualmente, é realizada a tradicional Festa da Lavoura, que homenageia o homem do campo e pretende valorizar os artistas do meio rural. Na ocasião, ocorrem cavalgada, desfiles de carros de boi e apresentação dos produtos colhidos na região, como milho, feijão, arroz e cana. A mamona, utilizada para a produção de biodiesel, tem ganhado um importante espaço na economia da cidade.

07/06/2005

 

fale conosco | ©2005 Projeto Manuelzão