Banner GeoprocessamentoBanner DescubraBanner Biomonitoramento


Meta 2014

Projeto Manuelzão/UFMG: as bases conceituais da Meta 2010 e 2014 para o Rio das Velhas

O objetivo maior da Meta 2014 é a conquista de uma sociedade com nova visão-de-mundo

Apolo Heringer

Apolo assinando a proposta da Meta 2014
Apolo assinando a proposta da Meta 2014. Foto: Leandro Durães
O que tem a ver a mobilização pela “volta do peixe” com saúde humana?Esta história começou com dúvidas surgidas entre professores da disciplina de graduação Internato em Saúde Coletiva, sobre sua prática docente e sobre o objeto desta disciplina médica.

A medicina trabalha com doenças: pesquisa, diagnóstico, prevenção médica e tratamento clínico-cirúrgico e outros. Já saúde não é uma questão basicamente médica e sim de qualidade de vida; tem mais a ver com macro-economia, infra-estrutura,  política e cultura. As dúvidas são porque a  nossa disciplina é de Saúde Coletiva, não de clínica. Para o Projeto Manuelzão, somente uma intervenção sistêmica com redirecionamento da política e da economia, nos diversos níveis,  proverá nossa sociedade de condições ecossistêmicas de saúde coletiva. Esta não é a lógica da indústria da doença. Daí nosso caráter ser necessariamente transdisciplinar/setorial/institucional, abrangendo o conjunto da UFMG e indo além. Não tem sentido ser limitado ao caráter clínico ainda que da prevenção médica.

Imagine um rio altamente poluído onde os biólogos diagnosticam diversas doenças nos peixes, teratogenias, cegueiras, diminuição da estatura e mortandades. Optar pelo tratamento individual dos peixes seria visto como um absurdo diante do mal maior que é a poluição. A despoluição do rio salvaria as espécies e garantiria saúde aos indivíduos? Esta deveria ser a questão. Ou seja, restabelecendo-se a qualidade do ecossistema aquático agimos com lógica da saúde coletiva.

E o nosso rio? A opção na sociedade humana deveria ser dupla: tratar os indivíduos, mas priorizando o investimento na qualificação do ecossistema humano – seus habitats, seus nichos, seus ecossistemas, seus biomas. São suas cidades, suas universidades, suas moradias, escolas, sistemas de transporte, sua macro-política econômica e mentalidade civilizatória. Esta visão força-nos a rever conceitos em política e em macro-economia, rever o SUS, rever as bases filosóficas de nosso pensamento social.

A opção pelo peixe é uma estratégia adotada pela nossa percepção da importância metodológica do território de bacia hidrográfica e das águas. O peixe é um indicador de saúde coletiva ambiental da bacia, incluindo a espécie Homo sapiens. O transformamos em eixo de mobilização. Está relacionado com o princípio metodológico “o espelho d`água mostra a nossa cara!”. Com esta estratégia estamos monitorando as transformações ambientais, civilizatórias e avaliando a gestão pública.

A bacia hidrográfica e seus ecossistemas integrados têm base geológica e uma linguagem compatível de caráter universal. Portanto, supera as fronteiras geográficas e culturais politicamente impostas aos seres vivos. Permite a globalização inteligente de uma humanidade solidária que pensa e age globalmente e localmente.

Em 2003, durante a Expedição que desceu o Velhas até o São Francisco, propusemos a Meta 2010, de Navegar, Pescar e Nadar no seu trecho mais poluído, na passagem do rio pela Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). O então governador de Minas Aécio Neves a assumiu em março de 2004, por sugestão nossa. E posteriormente a transformou em Programa Estruturador do Estado. Foram feitos investimentos políticos, administrativos e financeiros tanto pelo Estado, quanto pelo Projeto Manuelzão/UFMG, diversas prefeituras e algumas empresas. Mas o ator mais eloquente foi a sociedade civil ao conseguir que o Estado encampasse sua proposta.

Fazendo agora um balanço da Meta 2010, ela teve 60% de sucesso. Nadamos com segurança em Santo Hipólito, na região de Curvelo, no médio curso. Nesta região é comemorado o milagre da multiplicação dos peixes e da ressurreição do rio. Dados do biomonitoramento do NUVELHAS/Projeto Manuelzão/UFMG, que vem sendo realizado há mais de dez anos, comprovam que peixes antes ausentes estão hoje chegando à RMBH. No geral o rio melhorou muito. Mas ainda não conseguimos a vitória de poder nadar na RMBH com segurança. Por isso, para não deixar o vazio tomar conta, e fazer com os parceiros as reformulações necessárias na gestão, lançamos a Meta 2014, para finalmente podermos nadar na RMBH e ter aí um rio cheio de peixes da bacia da São Francisco. Algumas diretrizes para esse novo momento estão previstas em documento assinado dia 14 de Agosto, às margens do rio das Velhas, pelo governador Antonio Anastasia, por  Aécio Neves, por diversos prefeitos  – entre os quais o prefeito de BH Márcio Lacerda, os coordenadores do Projeto Manuelzão, secretários de Estado, deputados, Núcleos do Projeto Manuelzão e pessoas presentes ao evento.

A Meta 2014 exclui de forma peremptória a construção de barragens na calha do Rio das Velhas e na bacia do Rio Cipó. No caso de Santo Hipólito uma barragem teria consequencia devastadora sobre os ecossistemas da bacia do Cipó/Paraúna, Pardo e médio Velhas, além da inundação de povoados, de terras férteis da região e isolamento de pessoas. Esta barragem nunca foi uma reivindicação regional. A região tem outras prioridades.

O objetivo maior da Meta 2014 é a conquista de uma sociedade com nova visão-de-mundo que seja civilizatoriamente superior, ecossistemicamente adequada às necessidades de todas as espécies, verdadeiramente democrática e justa, abolindo fronteiras e preconceitos. As águas e o peixe estão cumprindo o papel estratégico de guias e inspiradores de uma transformação da mentalidade.

 

Acesse aqui o termo de compromisso assinado entre o Projeto Manuelzão e o Governo do Estado de Minas Gerais para assegurar a volta do peixe e o nadar na RMBH até 2014.

Leia também a notícia do evento de lançamento da Meta 2014. Confira a Galeria de Fotos do evento e sua repercussão na mídia.